06 fevereiro 2007

the joke


hoje inaugura uma pequena exposicao aqui em s. francisco, feita com as participacoes dos bolseiros fulbright da regiao. esta e a minha contribuicao, o primeiro de uma serie de desenhos de grandes dimensoes desenvolvida a partir das fotografias oficias de cimeiras do G8. a imagem corresponde a um pormenor ampliado. o titulo pretende realcar uma literalidade (e consequente falhanco) deste trabalho, a nao repetir nos exercicios posteriores.

8 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem!!!
Gostei de ver este trabalho
Gostei de reencontrar o trabalho do Ramalho

É interessante como o humor inscrito na imagem
não está nos traços caricaturais
que as representações figuras humanas não têm
mas na representação do elemento
que representa o poder das personagens
e que contrariamente ao tamanho destes elementos (gravatas)
a seriedade das figuras decresce e ou diminui

é ainda mais interessante que a diferença cromática das gravatas
sublinha, de algum modo, a homogeneização de pensamento
ou melhor
da forma de pensar e actuar das personagens apresentadas/representadas

a verticalidade com que estas criaturas
se apresentam (nestes encontros – apresentados como importantes porque são referenciado como decisivos)
é no teu desenho
desdito pela falsa verticalidade da gravata
que parecem ser orgânicas o suficiente
como que adivinhando
ou melhor
sugerindo que estas personagens cedem,
adaptam-se, são maleáveis o suficiente
na sua efectiva actuação

isto é: entre o dizer e o fazer …
entre o que deve ser feito e o que é feito…
entre o que aparenta e o que é…

temos o que eles querem
não o que nos dizem que querem

é tudo uma performance
passiva (registada fotograficamente e por ti sublinhado)
mas pura e simplesmente uma performance
bem desenhada por estas pessoas que sabem o que mostrar e a quem – a nós


parabéns
quero ver mais…
fico a aguardar
até breve
maia

thedevilwearsbombazina disse...

O comentário de maia é pertinente e interessante, o desenho mostra-me que está lá isso, sim...gostei bastante. (de ambos!)

Anónimo disse...

wow
Que riso! ! !
Gandas gravatas!
Ha ha ha ha...
Cadê os outros?

Manuel Santos Maia disse...

Olá Nuno!!
Já tiveste a oportunidade de ver imagens do teu trabalho
no DEPÓSITO?
Está muito bem

E o lugar onde ficou é óptimo
ficou na estante dos objectos dos museus da reitoria
e a leitura que temos dele é interessante
a selecção, a escolha de produtos numa loja – no pingo doce
é semelhante e ou mais complexa que a de muitos curadores
o critério de apresentação dos produtos para venda
nas estantes, nas prateleiras corresponde a critérios de visibilidade acessibilidade e
as estratégias de consumo
isto é que é pensar no observador / consumidor de Supermercado
e há também a referir os observadores / consumidores dos Supermuseus das Superexposições, etc..

e há Aida a pensar a actividade ou inactividade dos directores destes espaços museológicos da reitoria
o que não mostram?
é que estas colecções
muitas delas
são o resultado de dádivas de coleccionadores
de pessoas que sabiam o que queriam
e tinham a visão de algo
e pretendiam legar algo

algo que esteve melhor do que
o que agora temos nestes museus universitários
até a designação de museu é questionável

tanto empenho, tanta dádiva
para que anos mais tarde
a incúria e desleixo
recaia sobre estes objectos

na verdade penso que nunca fomos merecedores de nada
quem destrói, ignora o que lhes legaram, deram é…
até na situação expositiva em que as listas são apresentadas na exposição acerta
a condição que referi está presente no amontoado de recibos
e ainda
estes estão no chão
boa metáfora da condição em que estão muitos objectos

dá para questionar os nossos responsáveis directores de museus
e como o Renato refere no seu trabalho o estado do conhecimento produzido
o mal de “A peste” está também aqui pelo Porto
nestes lugares de conhecimento
ou melhor que deveriam ser de conhecimento
mas muito mais há a dizer
fica para depois

até já
maia

Manuel Santos Maia disse...

é verdade
vai ver o blog do Paulo Mendes
há lá imagens do trab do Renato
mas ainda não vi o teu
http://paulomendes.blogspot.com/

vou tentar pedir a um dos nossos amigos para te enviar uma ou duas imagens
até já
maia

Nuno Ramalho disse...

maia,

vou guardar estes textos que andas a escrever porque qualquer dia faco um segundo livro com os meus projectos e assim escuso de te chatear com um texto novo!!!

a serio, obrigado por deixares aqui as tuas impressoes, e' mais este o espirito do blog, acho que a isabel concorda comigo.

o trabalho em torno dos G8 ainda vai levar muitas voltas, mas a atencao e para repartir entre os actores que vemos em cena e a representatividade democratica (que toca a todos) que eles ainda simbolizam. funcionam como ensaios sobre o poder: quem o simboliza e quem o confere, fiscaliza ou autoriza (todos).

esta serie de desenhos faz parte de um conceito maior, o dos coros (a partir da tragedia grega), que 'e algo que eu contava desenvolver nesta fase inicial numa outra direccao mas que depois nao se veio a poder concretizar. de qualquer forma, e para terminar em relacao a este 'the joke' (estou a contar com mais um comentario de defesa patriotica da lingua...), e' um projecto que se esgota, de certa forma - nao e' por aqui, mas foi importante ter aqui passado.

os recibos sao po', e por ai tambem coincidem com questoes que levantas. mas produziram em mim a necessidade de interrogar noutros campos, todos eles parametros deste projecto:

ainda e sempre o dinheiro, as financas e o lugar de topo na experiencia da contemporaneidade desses elementos carregados de coisas muito ou pouco fantasmaticas;

a valorizacao e definicoes sobre o que tem ou nao valor, quando e que passa a ter e quanto vale: por exemplo, mas nao so, relativa ao trabalho artistico: como e que e quantificado esse trabalho? (em sentido estrito, e mais desprendido deste projecto em concreto, nos ultimos tempos tenho pensado naquela proposta que na altura passou como gracola do andre (sousa), com a greve de artistas que ele convocou...;

o intimo (retrato, diario) apropriado atraves de um elemento inocuo, apagado, frio, quase invisivel, e definitivamente anti-espectacular;

a condicao de perpetuar algo no tempo, na memoria: como escolher, porque, quem escolhe - e aqui confluem as questoes que abordaste e as da propria exposicao.

ja recebi, via isabel, algumas imagens que o renato tirou - tenho mesmo muito orgulho e cada vez mais gozo em poder colaborar com ele; este trabalho acaba por ser mais uma colaboracao do que um projecto individual, tal foi a dedicacao do renato e o apoio que ele me deu desde o inicio.

ainda assim, agradeco novas imagens, se as tiveres envia-as.

bom, vou para outra freguesia.
ando a ler um livro que me tem feito pensar em ti - chama-se 'the life of poetry', de muriel rukeyser, publicado na decada de 50 pela primeira vez. muito actual. estou a lidar com a minha cronica relutancia pessoal em relacao 'a poesia...mas isso fica para o blog no myspace!

e ha uma imagem que nao me sai da cabeca: a do teu flyer para a expo no 'mad woman'...sobretudo por estes dias, parece-me que ha todo um pais a ressoar nessa instalacao - so nao escrevo aqui um texto porque nao pude ver o projecto, mas vontade nao me falta de extrapolar alegremente por ai fora...

abraco grande para ti e para thedevilwearsbombazina (ja aqui confessei que gosto mesmo deste nome...) e tambem para quem curtiu as gravatas

maia disse...

oi!
foi a Cici que curtiu as gravatas
e eu curti ver a tua intensa actividade reflexiva

foi óptimo conhecer um pouco mais dos projectos
e só agora compreendi
e fiz ligação das imagens que tinha de ti
a comprar de tempos a tempos livros / obras ditas clássicas e fundamentais da
da cultura ocidental
estou curioso por ver o teu trabalho
quanto ao texto
um segundo texto sobre o teu trabalho
terei todo o gosto e interesse em o escrever
ele está prometido desde o primeiro
muitos foram os trabalhos que ficaram por ser referenciados
e estes como os outros
têm sido importantes para mim para pensar a dita contemporaneidade

quanto ao myspace
sabes por incompetência minha não sei funcionar com isto

mas irei tentar novamente
vamos ao trabalho
BOM TRABALHO
abraço
até breve
maia

Catarina disse...

Olá

Love You!!!

Miss you!!!

Meu querido Nuno estou tão orgulhosa de ti, do teu trabalho...

Manda Notícias, fala-me mais sobre o teu trabalho, manda me fotos...quero saber tudo!!!
Adoro-te
Estou sempre contigo, vem rápido e diz quando, quero-te ver!

Beijo

Tânia