27 julho 2008

.

.

.
Uma Certa Falta de Coerência
apresenta
.
Cinco conversas em torno da experiência Americana
.
23 a 31 de Julho 2008
.
QUA. 23.07.2008 - 21h30 - André Cepeda
QUI. 24.07.2008 - 21h30 - Mafalda Santos
TER. 29.07.2008 - 21H30 - Jonathan Saldanha
QUA. 30.07.2008 - 21H30 - Eduardo Matos
QUI. 31.07.2008 - 21H30 - Nuno Ramalho
.

mais informações AQUI
.

7 comentários:

mauro disse...

http://montedapenha.blogspot.com/

M0rph3u disse...

Parece-me importante este aspecto da partilha da experiencia entre os que estiveram aqui e outros que nao tiveram essa oportunidade.
Cada qual tera' tido a sua experiencia pessoal. Os EUA nao sao um territorio uniforme - pela sua paisagem variada (nao fosse uma grande parte de um continente), como tambem pelas pessoas.
Toda a gente me diz que Nova Iorque e' um mundo 'a parte e realmente do que pude experenciar pessoalmente, e' verdade.
Ao mesmo tempo, esta afirmacao parece carregar em si uma certa superioridade da cidade, que nao e' verdade, de todo.
Grinell, no Iowa, foi uma surpresa em varios aspectos, mas talvez o mais importante de eles todos e' que foi uma licao de que existem outros locais, que nao Nova Iorque, onde as pessoas sao profissionais e tem brio no seu trabalho.
A forma como me pareceu que trataram os artistas portugueses nao foi diferente da forma como trataram outros artistas, que tambem puseram no espaco.
Houve um cuidado na producao, que no final resultou muito bem.
A escolha improvavel foi tambem quase como uma experiencia que dificilmente sera' repetida - ate' pela natureza dos artistas envolvidos.

Em todo o caso, o que se passou ali foi pela Arte e para um publico em particular - que devera' ter ficado marcado com o que viu (pelo menos foram essas as reaccoes que consegui captar).

Por outro lado, este Pais tem outros aspectos que sao comuns a tantos outros que existem por ai... ha' problemas, ou certas situacoes, que se encontram generalizadas.

As questoes que ponho mais sao de ordem cultural. Nao creio que se possa falar de uma "cultura ocidental", como e' referido varias vezes. Ha' outras questoes que poderao ser pertinentes e que levantam outras questoes, como o valor da lingua; ou a relacao entre economia e cultura. Ate' que ponto e' que esses pontos se entruzam?
Creio que para la' da surpresa, espanto, encanto, desilusao e muitos outros sentimentos que possam ser gerados numa experiencia aqui ou noutro local, o maior facto talvez seja mesmo o do distanciamento.
Estar longe e experimentar um novo contexto onde ha' sobretudo uma desreferenciacao, leva um Individuo a pensar na sua propria condicao. Ha' tambem que avaliar o caracter dessa mesma desrefenciacao - se temporaria ou se semi-permanente.
De alguma forma, a incerteza sobre o lugar que sabemos onde iremos estar num futuro a medio ou longo-prazo pode influenciar a forma como nos apropriamos do espaco.
Um turista ou um viajante ve e experiencia um local, de forma diferente de alguem que moveu todo o seu contexto de vida para outro sitio.
Pela minha experiencia pessoal acabo por me encontrar num limbo - sei que nao sou daqui... mas ate' que ponto pertencerei ai?

As dimensoes daqui habituaram-me a andar camuflado no meio da multidao - sou anonimo. Ai ja' nem tanto... e confirmo isso nas ferias. Se estiver em Lisboa acabo por encontrar quase toda a gente que deixei ai 'a 4 anos - 'a excepcao de outros que tambem partiram para algum lugar...

Gostava que pudessem disponibilizar as experiencias de cada um online, se possivel. Estou curioso em saber de que forma e' que as pessoas que aqui tiveram, ou que por aqui passaram veem-se a si mesmos agora e 'a experiencia que tiveram oportunidade de ter; e mais, como veem o seu regresso 'a cidade e "raizes" que deixaram?
Tera' esta experiencia despertado um lado "nomada" seu, que podiam desconhecer?
Como pensam que teria sido essa experiencia se o bilhete tivesse sido so' de "ida" - com toda a incerteza que isso carrega?

Cumprimentos,

Pedro

outra partilha disse...

Olá Pedro, não sei se estás de férias ou aqui pelo Porto, mas vale a pena ir à conversa de hoje, que julgo partir de uma experiência dessas terras mas num lugar periférico dessa centralidade.

E talvez também responda à questão nómada que falas, é que quem vai falar, sei-o, tem várias experiências temporárias em várias geografias, mas muitas das vezes está "quieto" aqui no Porto e convoca e faz com outros que cá chegam por ele. É Nómada na sua própria cidade. (www.soopa.org)

Concordo contigo, e reforço o pedido de actas aos incoerentes! Publicação num fanzine?

Aida

M0rph3u disse...

Infelizmente continuo deste lado do mar e sem perspectivas em breve de ir ai, tao cedo (tal como a escrita denuncia - sem pontuacao).

A ideia da fanzine seria excelente! Acho que e' importante documentar. Nem sempre parece muito importante o que fazemos, mas um dia alguem o podera' achar. Se editarem avisem ;)

A Certain Lack of Coherence disse...

ola! estamos a registar todas as conversas sobre USA e para além disso outras conversas com os artistas k fizeram até ao presente momento exposiçoes no incoerencia.
futuramente iremos fazer coisas com esse material.
obrigado pelo apoio.
la vos esperamos!

Anónimo disse...

Boa!

Anónimo disse...

Aproveito e dou uma "achega" aos "Recursos humanos" !
Que tal a partir de agora gravar as conversas? Eu levo o aparelho audio!
SE estes acontecimentos já são tão invisíveis, pode-se contrariar um pouco , combatendo o "vazio".
E porque não um dia.... ambos os espaços lançarem as suas publicações ao mesmo tempo?!
Vá lá eu apoio com 15€/ 25€ ( conforme a cota do mercado)
Beijinhos
Carlota