28 fevereiro 2007

Reflexus


(imagens roubadas aqui)
.
.
REFLEXUS - Galeria de arte contemporânea
inaugura
dia 02 de Março (sexta-feira) pelas 22 horas,
.
e a sua primeira exposição será uma colectiva, com trabalhos de alguns dos artistas que representa:

ANDRÉ ALVES
ISABEL RIBEIRO
ISRAEL PIMENTA
JOÃO FONTE SANTA
JOSÉ ALMEIDA PEREIRA
LUIS RIBEIRO
MAURO CERQUEIRA
MAX FERNANDES
PAULO MENDES
RITA CASTRO NEVES
SÓNIA NEVES + ARLINDO SILVA
.
A noite da inauguração conta com um DJ convidado.
.
REFLEXUS - Arte Contemporânea
Rua D. Manuel II, 130, 2 frt
4050-343 Porto
(localização junto a Miguel Bombarda)
Terça a Sábado das 15h-19h30
tel. 936866492

4 comentários:

Manuel Santos Maia disse...

Olá amiga!
Claro que lá estarei
Estou ansioso por ver tantos amigos juntos!!!
Como vai ser?
O que estão a fazer?
Esta galeria está muito forte
Os artistas reunidos têm já um corpo de trabalho respeitável
Está lá desde o Paulo Mendes e a Rita Castro Neves
que têm um corpo de trabalho considerável
e que são sempre NOVOS nas suas propostas
até aos mais novos que são obviamente NOVOS
o que faz que tenhamos provavelmente uma exposição “refrescante”
penso que o Porto já estava a precisar de algo assim
como o iluminado João César Monteiro dizia
Portugal é uma piolheira!!
E a programação das galerias no porto
como tem estado
tem sublinhado o que o César Monteiro disse
estarei lá então no dia da inauguração e
claro no dia seguinte
para ver melhor
para pensar um pouco mais

e antes da festa de inauguração

BOA SORTE A TODOS!!!

E O GALERISTA ESTÁ DE PARABENS!!!

E QUE TENHAMUITA FORÇA
PARA LUTAR CONTRA ADAMASTORES DA ARTE DO BURGO
(que infelizmente são muitos
o que nos vale
é que pelo que fazem
e mais pelo que não fazem
são visíveis,
sabemos quem são
e com o actuam…)

Esta última parte era dispensável
depois de felicitações
não era?

Desculpem-me!
Beijos e abraços
maia

Nuno Ramalho disse...

isabella,
ora bem, a coisa promete, espero que alguem se lembre de me enviar umas imagens...CERTO?! e estou com uma certa inveja, acho que gostava de estar nessa galeria com tanta gente fixe a a trabalhar...enfim, sou sempre um optimista com os novos projectos, espero é que nao venha por ai mais um deja-vu ;-)

estava no outro dia a falar com um professor meu qe me disse que o galerista dele em nova iorque só trabalha com 10 (!!!!) artistas, recusa-se a ir a feiras de arte (!!!!!) e nao vende trabalhos a quem anda atrás de "mercadoria"(!!!!!!)...enquanto o meu professor se queixava dos prejuízos de tanta sanidade junta, na minha cabeça este galerista transformava-se num wet dream...

Nuno Ramalho disse...

ok, lembrei-me agora...nao gosto do nome (que é que se passa comigo e com os nomes?!)

Anónimo disse...

Olá Isabel!!!

Gostei muito da exposição de ontem
E como já se previa
Marca pontos
comprando com o que se tem visto pela rua paralela
- a rua bombarda -

A relação que estabeleci com o teu trabalho
ou melhor a experiência vivida
foi muito interessante.
reconheci logo o tendão
e pela primeira vez revivi
numa imagem
o estado de embriagues.
Nas tuas pinturas
a caracterização do espaço
e dos elementos da composição da imagem
transportam-nos – quem viveu esta experiência –
para um estado de espírito
ou melhor
um estado psicológico e existencial muito particular,
e que ainda não o sei verbalizar
mas as tuas imagens ajudam-me a pensa-lo
uma existência sombria
aquém da luz
um estado que nos transporta para um mundo de sombras
em que os outros ou a percepção dos outros
acentua o estado de embriagues (do mundo dos sentidos)
e entre as sombras
somos uma delas mas nunca mais uma
(porque como acontece noutros trabalhos – teus -
os traços e os pormenores da silhueta
são suficientes para caracterizar,
individualizando, cada um dos elementos, cada um dos indivíduos)
mas aqui há uma sombra que se estende pelo espaço, pelas coisas
e que parece surgir do primeiro plano
do nosso plano
do plano do observador
do plano onde estão estes vivos
ou menos vivos e mais sombras
o mais interessante é que na representação pictórica
o espaço de maior vida – o espaço da pista de dança, o espaço festivo
é segundo a tua representação o espaço mais escurecido
o espaço mais homogéneo em termos cromáticos
o espaço mais subjectivo,
o espaço das sombras…

Dentro da tua investigação,
este trabalho, parece ser mais um passo
um passo muito interessante…
ainda tenho muito, muito a pensar
irei lá hoje novamente para rever as obras

o mais interessante é que falando com outras pessoas
que desconhecem o “tendão”
para eles este trabalhos
parecem-lhes mais subjectivos
e na verdade são
são densos
pesados
sombras pesadas
existências densas


e que tal colocares aqui no teu espaço colectivo de sombras chinesas
imagens da exposição para eu,
e o nosso amigo americano Nuno
e os outros
podermos ver?

Beijos
Até já
Maia